ÚLTIMA DANÇA

TCHEKHOV

No meu guarda roupa de escritor, haverá sempre lugar para o fato rude de prisioneiro. 

Anton Tchekhov

"No início, a palavra cadeira. Vazia. Cadeira vazia, boca de um palco ou boca fria antes do beijo que desperta. E Tchekhov, não como guarda-costas da sua obra mas na qualidade de guardião do futuro. 

A criança espanta os pássaros para ver se eles voam mais alto e arranca as asas às borboletas, afim de verificar se existe um voo contíguo à navegação do voo. Assim, nesta convocação de Tchekhov, tentamos sacudir a poeira dos chãos vindimados, utilizando a figura do dramaturgo russo como espantalho revelador de todos os pássaros invisíveis. São eles esboços de passos, estímulo de gestos, pedaços de pernas e braços e o corpo tratado como galáxia de restos. São o fim do banquete das almas prisioneiras para o qual os olhos e os corações estão convidados. 

No fim, a palavra cadeia. Cadeia transtemporal. Aquela que Tchekhov anunciou, e elevando cada momento de sofrimento humano  categoria do elo vital na construção não do destino mas do seu exacto inimigo e fiel contraditor: o OUTRO TEATRO. "

REGINA GUIMARÃES

Coreografia: Elisa Worm

Dramaturgia: Regina Guimarães

Concepção Coreográfica: Elisa Worm

Coreografia: Mafalda Deville

Desenho de Luzes: Orlando worm

Figurinos e Arranjo Cénico: Elisa Worm

Confeção: Carminda Bote

Vos Off: Saguenai

Música: Mussorgsky, Arensky, Emmanuel Nunes, Rachmaninov, Satie, Saint-Saens

Canção final: Inédito de Fernando Lapa

Canta: Bárábara Pinto

Bailarinas: Ana Azevedo, Amélia Silva, Bárbara Pinto, Carolina Freire, Eva Ramirez, Filipa Bastos, Katia Esteves, Mafalda Deville, Romana Leite, Selma Ribeiro

Direção: Conchita Ramirez, Elisa Worm